segunda-feira, 18 de agosto de 2008

TRECHOS MARAVILHOSOS

Ola Lygianos, que honra fazer um post neste blog... Quero dividir com vocês os trechos de contos e romances que amo.. Obviamente é impossível postar tudo porque para isso teria que postar a obra inteira... hehehehehe

Beijos a todos... Claudia

Descobri outro dia que a gente só se mata por causa dos outros, para fazer efeito, dar reação, compreende? Se não houvesse ninguém em volta para sentir piedade, remorso e etc. e tal, a gente não se matava nunca. Então descobri um jeito ótimo, me matar e continuar vivendo. Largo meus sapatos e minha roupa na beira do rio, mando cartas e desapareço.

VERAO NO AQUARIO

"Ah! se a gente pudesse se organizar com o equilíbrio das estrelas tão exatas nas suas constelações. Mas parece que a graça está na meia-luz. Na ambigüidade. E até as estrelas, pobrezinhas, equilibradas mas tremendo tanto na solidão... "

AS HORAS NUAS

"Gregório podia me ajudar in memoriam pelo tempo que me amou, sabia latim. Até grego. Mecânica celeste. Acho que andava triste comigo mas quem aprendeu tanto devia perdoar quem sabe tão pouco."

AS HORAS NUAS

Minha mae nao usava a palavra suor que era forte demais para o seu vocabulario, ela gostava das belas palavras. Das belas imagens. Delicadamente falava em transpiracao com aquela elegancia em vestir palavras como nos vestia.

VERDE LAGARTO AMARELO

Se ao menos ele nao fizesse aquela voz para perguntar se por acaso alguem tinha levado a sua caneta. Se por acaso alguem tinha comprado um novo fio dental, porque este estava no fim. Nao esta, respondi, e que este se enredou la dentro, se a gente tirar esta plaqueta ( tentei levantar a plaqueta ) a gente ve que o rolo esta inteiro mas enredado e quando o fio se enreda desse jeito, nunca mais!, melhor jogar fora e comecar outro rolo. Nao joguei. Anos e anos tentando desenredar o fio impossivel, medo da solidao? Medo de me encontrar quando tao ardentemente me buscava?

NOTURNO AMARELO

Com a ponta da língua pude sentir a semente apontando sob a polpa. Varei-a. O sumo ácido inundou-me a boca. Cuspi a semente: assim queria escrever, indo ao âmago do âmago até atingir a semente resguardada lá no fundo como um feto".

VERDE LAGARTO AMARELO


"Entao sonhei e no sonho Deus me apareceu, quer dizer, senti que ele pegava minha mao com sua mao de luz. E vi o meu menino brincando com o menino Jesus no jardim do paraiso."

NATAL NA BARCA


"Mais prejudicial do que o cigarro e a memoria, digo baixinho ao velho que lancou um olhar reprovador ao meu cigarro. A memoria e seus detalhes."

UMA BRANCA SOMBRA PALIDA



"Trocaria o diamante, o sapato de fivela, o iate - torcaria tudo, aneis e dedos, para poder ouvir um pouco que fosse a musica do saxofone. Nem seria preciso ve-lo, juro que nem pediria tanto, eu me contentaria em saber que ele esta vivo, vivo em algum lugar, tocando seu saxofone."

APENAS UM SAXOFONE

"Confesso que nao fui mesmo compassivo e ainda assim ouso sonhar com outra vida porque sempre sonhei (e ainda sonho) com Deus. Imploro o inferno do corpo ( e o gozo ) que inferno maior eu conheci aqui empedrado.

ANAO DE JARDIM

"O silencio ajuda a abrir o intrincado caminho por onde vou descendo ate o fundo, para ajuda-la preciso eu tambem descer aos infernos."

WM

"Hoje meu analista explica que procuro e encontro na insipidez da virtude a minha punicao"

HELGA

"O mato rasteiro dominava tudo e nao satisfeito de ter-se alastrado furioso pelos canteiros, subira pelas sepulturas, infiltrara-se avido pelos rachoes dos marmores, invadira as alamedas de pedregulhos esverdinhados, como se quisesse com sua violenta forca de vida cobrir para sempre os ultimos vestigios da morte."

VENHA VER O POR DO SOL

"Depois ela nao lhe diria mais nada. Seria o primeiro segredo entre os dois, a primeira nevoa baixando densa, mais densa, separando-os como um muro embora caminhassem lado a lado."

AS PEROLAS

"Pensou na mae, mulherzinha raquitica e esmolambenta que nada tivera na vida, a nao ser aqueles olhos poderosos desvendadores. Dela herdara o dom de pressentir."

AS PEROLAS

"Se nao entrasse tantas vezes no quarto, se nao entrasse mais ninguem no quarto eu podia dizer: minha mae melhorou. Se so eu entrasse no quarto podia dizer isso pra todo mundo e todos tinham que acreditar em mim. E eu mesma acabava acreditando e isso ficava sendo verdade."

CIRANDA DE PEDRA

"Trocaram uum leve beijo. Depois ela prosseguiu sozinha pelo estreito caminho de sombra. Quando julgou ter atingido a metade, voltou-se. Lá estava Conrado na mesma posição em que o deixara, de pé na clareira. Mas os frouxos raios de sol que o iluminava ja tinham desaparecido. "Apagou-se" pensou ela acenando-lhe pela última vez.

CIRANDA DE PEDRA

"Não peça coerência ao mistério nem peça lógica ao absurdo."

POTYRA

"Meu nome é Luisiana, me diz agora o ectoplasma. Há muitos anos mandei embora o meu amado e desde entao morri."

APENAS UM SAXOFONE

Um comentário:

Abel Jr. disse...

Adoro esse trecho que diz respeito a memória (uma branca sombra pálida), me lembra Ciranda de Pedra: "você é o único que não me lembra nada e eu detesto lembrar."
Isso me mata.